#PrimeiroAssédio – tantos gritos silenciados…

prmeiroassedio.png

Eu começo esse texto parabenizando à todas e todos que compartilharam seu #PrimeiroAssédio ou algum outro #Assédio ao longo de suas redes sociais, a algumas horas, uma página da Universidade, UDD (UERJ dá Depressão), cujos moderadores são estudantes da mesma e assumem a função de informar, compartilharam uma das coisas mais intensas que eu já li, Luísa Guimarães, estudante, filha, irmã, amiga que nas suas palavras e nas de tantas outras iguais a ela sofreu assédio ao longo de sua vida, ela não relatou o primeiro, ela não relatou o segundo, ela relatou algo que mudou sua vida e que quase acabou com ela, ela relatou o estupro, cometido pelo taxista que deveria leva-la para casa, ele não só a ameaçou com uma arma, como também chamou um amigo para consumar o ato, ler aquelas linhas e me imaginar no lugar de Luísa era algo tão inevitável, que me pego chorando enquanto escrevo, imaginando o tamanho desespero ao acordar sozinha, ao ser vê daquela forma, me pego imaginando o tamanho de sua dor durante todos esses dias e meses.

A dor da Luísa é a dor de milhões de mulheres, crianças, filhas e filhos, mães… amigas, desconhecidas (e também desconhecidos).

Eu já disse não consigo me lembrar de um assédio quando pequena, ele provavelmente ocorreu, lembro que minha mãe sempre me mandava correr se eu visse um carro suspeito no caminho para o colégio, lembro do pai meu falando para eu não chegar tarde, ele sempre dormiu depois de eu chegar, lembro do meu irmão que nunca foi de demonstrar tanto afeto, coisas de irmão, me abraçando em meio a olhares devoradores. Eu não me lembro do primeiro assédio, mas lembro de ser constantemente lembrada que ele, o assédio, existi, sentar na fileira do corredor, andar armada com um guarda-chuva, usar calça ao invés de saia no Metro.

Me lembro que certa vez, no meu primeiro ano do Ensino Médio, no Colégio (Estadual) Normal Heitor Lira, enquanto pegava o 906 um senhor que deveria ter idade para ser meu avô entrou no ônibus para assediar as moças, para azar dele eram muitas contra um. Também me lembro de levantar do meu lugar e preferir ir em pé porque o rapaz que estava do meu lado se masturbava enquanto me olhava. Me lembro de fingir ter uma arma e encarar meu assediador enquanto mostrava uma faca de cozinha e sorria apertando o cabo do guarda-chuva, ele desceu dois pontos depois, nunca mais sai de casa sem guarda-chuva não por ser uma pessoa prevenida, mas por me sentir segura portando aquele objeto. Eu também me lembro que não andava tarde da noite com meu uniforme de normalista pelo simples fato de não me sentir segura, afinal era uma constante caminhoneiros, motoristas de ônibus e de carros suspeitos já me faziam acelerar o passo o suficiente a luz do dia, a verdade é que assumo eu não me sinto segura e nem nunca me senti segura andando sozinha.

Segurança, medo, revolta… a dor do outro é a minha dor.

Ler sobre o #PrimeiroAssédio, pensar nos assédios que já vivi enquanto trafegava tantas vezes antes das sete pelas desertas ruas que me levam a UERJ me fizeram pensar nas roupas que não vesti, dos caminhos que criei me desviando dos meus algozes, das vezes em que tampei meus ouvidos e apressei meu passo ou ainda das vezes que não curti meu sono porquê quem estava ao meu lado era um homem, lembro também das vezes que gritei, encarei, xinguei, das vezes que fiz tudo isso e ainda assim senti em mim o medo.

Medo…

A campanha, #PrimeiroAssédio, surgiu com o coletivo Feminista Think Olga, alertando para o assédio a crianças, tais quais Valentina e tantas outras, incentivando mulheres (e sim alguns rapazes) a contar sobre a primeira vez em que foram assediadas. Tantas e tantas vezes as cantadas são tidas como elogios, coisas normais, os olhares na bunda, nos seios, as mãos bobas, os fiu-fiu são deverás naturalizados por quem os comete, pela vítima e por quem cerca a vítima.

Não, não é um elogio, quando um carro para na sua frente e grita ‘’Oh lá em casa!’’, ‘’Gostosa’’, ‘’Quero te ter toda molhadinha’’,  seu coração para e você sente vontade de correr e de chorar, quando um homem vem na sua direção te encarando você tenta desviar, você anda atenta, você muda o caminho e você ouve ‘’Gata’’, ‘’Gatinha será que mia’’, ‘’Bom Dia’’, isso não é elogio, isso não é brincadeira, isso não é natural, isso é assustador.

A três semanas o Twitter e o MasterChefe Junior andam em total sincronia negativa, primeira o assédio, depois a homofobia e agora o sumiço da participante, a equipe do programa diz que a edição foi feita de acordo com a evolução dos participantes, fato é que direta ou  indiretamente isso ocasionou em algo muito comum no julgamento humano, culpar a vítima, sumir com ela, esconde-la, a culpa é dela, a culpa é minha, a culpa é nossa, pela roupa, pelo batom, pela saia, pelo vestido, por ser mulher…

Ler o que Luísa escreveu me fez pensar no que meus pais falavam, dizendo o quão inseguro era andar dentro de um transporte sozinha com um homem, não gosto de táxi, também não gosto de Vans vazias e ônibus apenas com motorista e trocador, mas mesmo assim os pego, com medo e o meu medo aumenta cada vez que leio algum relato, algumas vezes desço no meio do caminho, corro, mudo de roupa e deixo de passar batom, outras tantas percebo que não posso viver escondida, que não posso viver no medo, na escuridão, eu não sou culpada eles são os criminosos, eles são os verdadeiros culpados, eu não posso mudar minhas roupas, minha maquiagem, minha forma de ser e os caminhos por onde ando, eu luto, eu grito, eu bato e até empurro, mas mesmo assim para alguns eu faço por nada.

Lembro que enquanto lia, o segundo sexo de Simone de Beauvoir, eu fiquei tão feliz quando ela dizia que os comportamentos sociais são impregnados em nós, existe ainda uma esperança para a humanidade, eis aí o motivo da celebre frase ‘’mulheres não nascem mulheres, tornam-se mulheres’’, todo comportamento relativo ao que sou para a sociedade foi me imposto por ela, assim como o machismo, assim como a culpa da vítima, assim como se mudar para não ser assediada.

Deixo aqui todo o meu amor a Luíza, Valentina, Ana, Sofia, Teresa, Juliana, Maria…. a tantas outras e outros que sofreram, que choraram, que mudaram seus caminhos, suas roupas por medo, deixo a todos o meu abraço de gratidão por não desistirem, por lutarem, por compartilharem tantas palavras para mostrar que outros devem se pronunciar, que isso não é algo comum, para provar o mundo que nascer com o sexo feminino não é sinônimo de nascer como  um pedaço de carne, como uma vaca que a qualquer momento pode ser levada para o abatedouro por olhares raivosos e mãos abomináveis, ser mulher não pode ser uma condição para ser assediada, para ser abusada e ser consumida.

Deixo todo o meu amor à essas pessoas, minha solidariedade, minha sorosidade, meu abraço mais apertado a todos que já fá foram vítimas de alguma forma.

Para ler a postagem da Luísa é só clicar no nome dela.

#PrimeiroAssédio Maioria de participantes de campanha sofreu 1º abuso entre 9 e 10 anos https://t.co/wehmYkLHFl pic.twitter.com/Eu8eRFbBHx

— BBC Brasil (@bbcbrasil) 29 outubro 2015

Tinha uns 8 anos e esperava minha mãe nas compras. Dois rapazes passaram por trás, pegaram na minha bunda e saíram rindo. #PrimeiroAssédio

— Bruxa Onilda (@byankarruda) 21 outubro 2015

Texto Publicado Por Juliana Marques em 30/10/2015

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s